Escolha e Instalação de Porcelanatos: [Guia completo]

 

No post de hoje, falaremos sobre a escolha e instalação de porcelanatos. Embora possa parecer simples, veremos o passo a passo desse processo, onde serão apontados alguns detalhes importantes que fazem toda a diferença no acabamento final.

 

Entendendo o que é o porcelanato

O Porcelanato nada mais é que uma cerâmica de alta densidade. Ela é composta a partir da combinação de quartzos, argilas e outros materiais. Esses materiais são aquecidos a altas temperaturas de até 1.300 °C e submetidos a um processo de compactação, modelagem e secagem.

 

 

Ao final deste processo de compactação e modelagem, chega-se ao resultado de um material mais homogêneo e denso. Com aproximadamente 15 mm de espessura, altamente resistente ao desgaste de trafego de pessoas. Além de uma superfície menos porosa com baixo índice de absorção de água.

Deste modo, o porcelanato apresenta grandes vantagens se comparado às cerâmicas convencionais.

 

 

Características do porcelanato

O porcelanato tem uma resistência três vezes maior que às cerâmicas comuns, por sua densidade e resistência à riscos e desgastes, em geral. Dessa forma, apresentando uma vida útil mais prolongada.

A escolha pelo porcelanato dá-se principalmente pela baixa absorção de água, por ser menos poroso, sua praticidade na hora da limpeza e sua durabilidade.

Por conter essas características de resistência, durabilidade e praticidade, ao adquirirmos esse revestimento, prolongamos o tempo de realizar manutenções ou reformas.

Se algum dia tiver a oportunidade, repare no chão que você pisa. Se a cerâmica apresentar manchas de uma peça para outra, com certeza estará diante de uma cerâmica de baixa qualidade. Que contribui com uma possível infiltração no vizinho de baixo. Essas manchas mostram que a cerâmica utilizada está absorvendo a água.

Agora que já sabemos a composição do porcelanato e algumas das vantagens sobre às cerâmicas convencionais, devemos analisar o tipo de acabamento do porcelanato e a indicação para cada ambiente.

 

As 3 principais opções de porcelanato

 

PORCELANATO POLIDO

São as cerâmicas que recebem polimento, produzindo superfícies extremamente lisas e proporcionando um alto brilho para o revestimento.

A escolha desse tipo de porcelanato faz toda a diferença no acabamento de sua residência. São extremamente práticos na hora da limpeza, onde uma passada de pano é mais que suficiente para a higienização. É indicado para áreas íntimas ou áreas secas, como salas e dormitórios. Os mais comuns são os mais claros ou os que imitam mármore.

 

 

PORCELANATO ACETINADO

Sua superfície possui um brilho leve e discreto. Em seu acabamento possui uma textura suave e sedosa, muito confortável para todos os pisos das áreas molhadas (banheiro, cozinha e lavanderia) e áreas secas (salas e dormitórios). Também é muito prático na hora de limpar e sua leve porosidade garante segurança de quedas e de escorregamentos. Ultimamente os mais utilizados são os pisos com acabamentos cimentícios, chamados de pisos de cimento queimado.

 

 

PORCELANATOS EXTERNOS

São cerâmicas com alta porosidade, capazes de gerar grande aderência em ambientes externos, que estão sujeitas às intempéries da natureza. Possuem um aspecto rústico em sua superfície, minimizando os riscos de acidente. Existem modelos amadeirados, que imitam folhas de madeira. É indicado para pisos de quintais e garagens.

 

 

Qual tamanho escolher?

É de suma importância a contratação de um arquiteto para a realização de um bom projeto. Pois, baseado em seus conhecimentos, ele irá orientar as escolhas de forma adequada. Fundamentado em seus conhecimentos técnicos e nas necessidades do cliente, determinando assim o sucesso do resultado final.

Na criação do Layout e da planta de piso, será identificado as vantagens e desvantagens da escolha do tamanho do porcelanato. Após essa análise, será estabelecido a melhor alternativa que melhor se adéqua ao projeto, contemplando questões estéticas, como paginação e recortes do piso, como as especificações técnicas de densidade, resistência e durabilidade.

Por exemplo, de acordo com uma paginação proposta, o projeto indica a quantidade de recortes necessárias próximo as portas, esquadrias e paredes de divisão. A melhor recomendação é aumentar ou diminuir o tamanho do piso, para que esses recortes se ajustem melhor a esses obstáculos. Os tamanhos mais utilizados são os de 60x60cm e 90x90cm.

Veja na imagem a seguir um exemplo de duas paginações. Note que nesse exemplo, a melhor opção é o de 60x60cm, pois o número de recortes é menor e não será preciso moldar tanto a peça, evitando quebras e perdas desnecessárias.

 

 

Processo de instalação do porcelanato

É importantíssimo essa fase de planejamento, pois irá influenciar no resultado final da obra. Um piso ruim e desnivelado influencia no acabamento do ambiente, e em alguns casos, deixa com um aspecto feio e inadequado o encontro do piso com o revestimento utilizado na parede.

A seguir mostraremos o passo a passo do processo de averiguação da qualidade do contra piso que receberá o porcelanato.

Dica: Consulte e contrate um arquiteto para que ele os acompanhe na vistoria da entrega das chaves do imóvel. Além de ser habilitado para projetar e reformar, este profissional é altamente qualificado para reconhecer defeitos e imperfeições deixados pela construtora, ou antigo proprietário, no qual passam despercebidos ou são omitidos. Com um check list, trena, esquadro e um nível a laser, ele irá direcionar essa verificação, evitando futuramente reparos desnecessários na reforma. Assim, você iniciará o processo da obra com um bom planejamento.

 

Passo 1: Nivelamento do contra piso

Seja com uma mangueira ou nível a laser, o ideal é descobrir nessa fase as imperfeições do contra piso. O arquiteto consegue prever um nivelamento de contra piso, caso a diferença seja grande de um canto para outro no mesmo ambiente. Se as imperfeições forem mínimas, é possível obter o nivelamento do piso, trabalhando com a espessura da argamassa utilizada para instalação do porcelanato.

 

 

Passo 2: Impermeabilização das áreas molhadas

Áreas molhadas são todos os ambientes que recebem uma grande incidência de água, como os banheiros, cozinha e lavanderia.

Esses ambientes necessitam de impermeabilização no contra piso. O impermeabilizante é a segurança e garantia de que um piso bem instalado e rejuntado, com uma aplicação correta, não sofrerá infiltrações nem irá danificar o forro do vizinho debaixo.

As marcas mais conhecidas e utilizadas são: Viapol, Quarzolit, Bautech e Sika.
Todas essas marcas trabalham com impermeabilizantes com bi componentes (pó e líquido) onde você mistura os dois componentes e tem o produto final para aplicar.

A maioria das marcas trabalha com as linhas 1000, indicadas para áreas molhadas de ambientes internos, a linha 5000, especificada para caixa d’ água de alvenaria externa, e também a linha 7000, indicadas para cisternas e piscinas. Utilizaremos a linha 1000, que é mais que suficiente para impermeabilizar a cozinha, lavanderia e banheiros.

O processo de aplicação de impermeabilizante líquido dura aproximadamente 2 dias, onde se aplica de 3 a 4 demãos do produto, de acordo com a especificação de cada fornecedor.

A primeira aplicação deve ser feita em um único sentido. É importante respeitar o tempo de cura e secagem do produto, especificado na embalagem. Geralmente o intervalo é de 3 a 4 horas, em cada demão.

Na segunda demão aplicaremos o impermeabilizante no sentido contrário ao da primeira, e assim sucessivamente. A ideia é criar uma malha de proteção nesse contra piso.

 

 

No banheiro o processo deve ser o mesmo. É necessário proteger o piso e as paredes, considerando o fato de que o chuveiro joga uma grande quantidade de água nas paredes, ou apenas os respingos de água. Portanto, é comum aplicar o impermeabilizante nas paredes a uma altura de aproximadamente 1,20m, e por precaução aplicar no nicho do box, que será revestido com granito ou o próprio porcelanato.

 

Passo 3: Escolha e aplicação de argamassa para porcelanatos

São esses os 3 tipos de composição de argamassas disponíveis no mercado: Argamassa AC1, AC2 e AC3. A argamassa AC1 é recomendada para cerâmicas comuns. Pois, elas trabalham com a colagem mecânica, ou seja, a grande porosidade do piso permite a absorção de elementos como cimento. Que produz a liga entre a massa e os poros da cerâmica, grudando-o no piso.

A escolha ideal para a instalação do porcelanato é a argamassa AC2 e AC3. Pois, em sua composição há vários tipos de polímeros, que trabalham e reagem perfeitamente com a superfície de colagem do porcelanato. Esse processo de colagem acontece através de reações químicas. Onde os polímeros existentes nessa massa, criam a liga necessária entre o porcelanato e o piso.

 

 

Aplique argamassa com uma desempenadeira dentada, em sentido único. Ela produzirá frisos de respiro, que são responsáveis por não deixar que bolhas de ar permaneçam entre o porcelanato e a massa. Dessa foma, evitando que ele fique oco em alguns pontos.

 

 

Passo 4: Saída do piso

O ideal é que a primeira peça seja instalada, no canto do ambiente, geralmente atrás das portas. Assim os recortes ficarão todos para o canto oposto, pois, recortes desses cantos quase não aparecem.

Se pensarmos em um dormitório como exemplo, a cama, cabeceira, criados mudos e armários, certamente esconderão esses recortes. Assim o que fica visível é a peça inteira, deixando o ambiente mais bonito.

 

 

Passo 5: Espaçamento de piso

Existem vários tipos de espaçadores para pisos e revestimentos, e eles variam em formato, espessura e função.

Dica: É importante seguir as recomendações de espaçamento do porcelanato. Essas informações estão indicadas na caixa do revestimento. E por que é tão importante respeitar essa indicação? Porque, o fabricante está garantindo que seu piso não terá problemas.

Embora não seja perceptível, toda estrutura sofre pequenas dilatações. Sob a influência da variação de temperatura, ocorrem movimentos, sendo necessários pequenos espaços para que não ocorra danos causados pela força de compressão, e nem fissuras e rachaduras pela contração do piso.

O espaçamento mínimo mais indicado é o de 2mm, siga essa indicação e não terá nenhum problema

Espaçadores em cruz ou “x” são os mais comuns e mais utilizados. Atualmente existem no mercado um outro modelo, que além de separar ele ajuda a nivelar o piso pela superfície, travando um ao outro.

 

 

Passo 6: Rejunte

Antes de começar a aplicação, o porcelanato deve estar totalmente limpo e sem qualquer tipo de poeira. Isso porque o rejunte possui uma porcentagem de umidade e adere facilmente qualquer tipo de sujeira.

O rejunte tem o objetivo inicial de evitar fissuras e infiltrações. Existem vários tipos de rejunte, sendo os mais utilizados:

Rejunte flexível: material bi componente, que depende da adição de água para se ter a liga composta. Ele tem acabamento áspero e não possui a propriedade de proteger contra mofo;
Rejunte acrílico: massa já preparada para aplicação, possui acabamento liso e tem a capacidade de proteger contra mofo;
Rejunte epóxi: material bi componente, depende da adição de catalisador para se ter a liga composta, também tem o acabamento liso e tem a capacidade de proteger contra mofo.

O mais indicado para porcelanato em áreas secas, como sala e dormitórios, é o rejunte flexível. Já o rejunte acrílico é mais indicado para porcelanatos em áreas molhadas como cozinha, lavanderia e banheiros.

Ambos têm o mesmo período de secagem, entre 2 e 3 horas a secagem parcial, e 24 horas para a secagem definitiva.

 

 

Após a secagem parcial, é possível iniciar a limpeza de excesso do rejunte. O mais recomendável é utilizar um bloco de espuma úmida para limpar a superfície onde o rejunte foi aplicado.

 

 

Após essa primeira limpeza, utilizar pano úmido para limpeza final.

 

Dica: Fique de olho se o pedreiro também calafeta com rejunte os espaços deixados entre o porcelanato e a parede. Embora a função de proteger esse espaço seja do rodapé, não custa nada ter um cuidado maior e proteger esses espaços também.

 

Pronto para fazer a escolha e instalação de porcelanatos?

Agora que você já sabe o passo a passo para a melhor forma de escolha e instalação de porcelanatos, de acordo com cada ambiente, é só colocar em prática tudo o que ensinamos nesse post.

Se ainda tiver dúvidas, estamos à disposição para esclarecer dúvidas. Ou até mesmo fazer esse serviço para você. Consulte-nos!

Gostou das nossas dicas? Não deixe de assinar a nossa newsletter para receber outras dicas sobre seu próprio negócio!

 

Fonte: Studiotec

 

7 dicas para ser um Profissional Autônomo de sucesso

 

 

A cada dia, mais e mais pessoas desejam sair dos seus atuais empregos, com o sonho de se tornar empreendedores e trabalhar por conta própria. Mas, é importante lembrar que nem sempre é fácil se tornar um autônomo de sucesso.

Desafios como a gestão orçamentária adequada, por exemplo, podem ser uma pedra no meio do caminho daqueles que almejam começar o próprio negócio. Você quer se dar bem na sua atividade de autônomo, mas não sabe como chegar lá?

Para ajudá-lo nessa empreitada, este texto apresenta 7 dicas essenciais para quem quer ser bem-sucedido como autônomo. Acompanhe!

Aproveite toda a sua experiência

Tornar-se autônomo não é uma tarefa tão simples. E por isso é fundamental que a pessoa esteja preparada para o ofício e as responsabilidades que virão. Tente coletar o máximo de informações e experiências que adquiriu nos empregos anteriores para poder utilizar nessa nova etapa da sua vida.

Para ter êxito, é conveniente estar preparado para lidar com questões que envolvem tanto a gestão contábil quanto o relacionamento com os funcionários e clientes. Por isso, a melhor forma de adquirir esse entendimento é analisando tudo que já vivenciou nas suas relações de trabalho, observando e retirando o conhecimento necessário de cada situação.

Planeje-se bem

Todo bom plano precisa ser cuidadosamente estudado. Para ter sucesso como autônomo, é importantíssimo traçar um esquema detalhado sobre os passos que a empresa deve tomar.

Tenha objetivos e metas claras para serem alcançadas pela empresa. Em seguida, crie as estratégias que tornem aqueles alvos possíveis.

E vale a pena dizer que um bom planejamento financeiro do seu negócio ainda o ajudará a calcular e a conseguir o montante necessário para dar o pontapé inicial no empreendimento e, assim, gerir o negócio no futuro.

Não tenha medo de procurar ajuda

Nem todo mundo domina as diferentes áreas que envolvem gerir um negócio. Tendo isso em mente, uma solução prática é procurar o auxílio de outros profissionais experientes em diversas áreas. Contratar alguém para cuidar das finanças da empresa ou da área de marketing, por exemplo, pode ser de grande ajuda para um negócio que está começando.

Lembre-se: mesmo que essa atitude possa acarretar um custo maior ao empreendimento, ela pode economizar muito tempo, recursos e energia que poderão ser bem aproveitados em outras áreas da empresa.

A melhor forma de decidir se trabalhará sozinho ou em equipe é analisando realmente a sua capacidade e limitações como autônomo.

Mantenha o controle das suas finanças pessoais

Iniciar seu próprio negócio não é um investimento barato. Por isso, para conseguir mais dinheiro para aplicar na sua empresa, é importante que você tenha ótimo controle sobre o seu orçamento e saiba economizar na sua vida pessoal.

Para cortar alguns gastos desnecessários e diminuir as despesas da casa, uma boa opção seria buscar marcas mais baratas, além de repensar o gasto mensal com os diversos aspectos supérfluos do lar e família.

É preciso ter em mente que os estágios iniciais da sua própria empresa demandam certa quantia de dinheiro, que envolve aspectos desde a contratação de eventuais funcionários até a criação da identidade visual e a propaganda do negócio.

Além disso, na fase de estruturação do negócio, também podem ocorrer diversos imprevistos, que pesariam ainda mais no orçamento do empreendimento. Portanto, calcule também um dinheiro extra para emergências e esteja sempre preparado.

Não se esqueça do marketing

Nenhum negócio cresce sem uma ótima campanha de marketing. Por isso, é extremamente importante que você saiba do papel que o marketing possui dentro do negócio. Graças a ele, o estabelecimento poderá consolidar uma imagem positiva no mercado e, consequentemente, crescer e atrair novos clientes.

Nos dias de hoje, o marketing não precisa ser mais estabelecido somente em veículos de comunicação tradicional, como a TV ou jornais. Muito pelo contrário, uma das melhores formas de se conseguir novos clientes atualmente é investindo no mundo digital.

Manter contas ativas nas redes sociais, priorizando o relacionamento com o cliente, além da divulgação de produtos e promoções, pode ser um ótimo diferencial entre as novas empresas de sucesso e as que não conseguem muitos clientes.

O ideal é contratar uma equipe de profissionais especializados que estarão envolvidos apenas com a atividade de marketing digital. Aponte diretrizes claras sobre a linguagem a ser usada nas redes, assim como quais serão os limites que esse meio de comunicação representará para você.

Vale lembrar ainda que o marketing digital representa grande porcentagem do marketing espontâneo atual. É muito simples marcar as pessoas em publicações interessantes, bem como compartilhar bons posts e recomendar estabelecimentos e profissionais, o que torna a presença on-line de uma marca ainda mais importante.

Continue estudando

A fim de se manter atualizado em um mercado altamente competitivo, é importante que você continue sempre estudando para se capacitar melhor.

Procure descobrir quais são seus pontos fracos dentro da gestão do seu negócio e invista nessas áreas. Seja na educação financeira ou na criação de logomarcas, é importante que o gestor sempre tenha controle de tudo aquilo que se passa na sua empresa

Estude mais sobre questões que envolvam o mercado em que você atua, pesquisando as tendências e perspectivas para o futuro. Acompanhar as previsões sobre a sua área de trabalho é extremamente importante na hora de traçar as suas estratégias de vendas, além de planejar metas reais sobre a capacidade do seu negócio.

Não tenha medo de arriscar

Uma característica fundamental de qualquer empreendedor é que ele não tenha medo de arriscar. Qualquer novo negócio representa certo risco. E, obviamente, nem sempre tudo sai como o planejado. Imprevistos são normais durante a vida do profissional autônomo, e é preciso ter a coragem para superar cenários desvantajosos.

Ainda assim, é essencial que o empreendedor saiba que nunca existirá um momento ideal para entrar em um mercado competitivo. Mas que, com um bom planejamento, as chances de ter um negócio de sucesso aumentam consideravelmente!

Com uma boa preparação e com o estabelecimento de expectativas reais, qualquer profissional pode se tornar um autônomo de sucesso. Nessa jornada, é importante fazer uma análise de quais são as suas capacidades e de qual será a melhor forma de abordagem para criação e implementação da sua atividade.

 

Gostou das nossas dicas? Não deixe de assinar a nossa newsletter para receber outras dicas sobre seu próprio negócio!

10 dicas de manutenção predial

 

Todo edifício necessita de um plano de manutenção preventiva contra possíveis danos e complicações, confira as 10 dicas de manutenção predial aqui.

É importante saber o momento exato de realizar a manutenção predial, o recomendado é verificar o período dentro do plano de manutenção preventiva ou realizar os reparos nos meses em que menos se usará as áreas em comum, veja agora as 10 dicas para manter o condomínio sem danos e complicações.

 

Dicas de manutenção

 

Para-raios

Este equipamento merece atenção, verifique se o para-raios esteja instalado adequadamente. Caso o SPDA apresente problemas, chame um engenheiro elétrico para realizar os reparos, isso garantirá a segurança da parte estrutural do prédio.

 

Instalações de gás

Verifique os cilindros, sistemas e instalações de gás, a manutenção periódica pode evitar o risco de possíveis vazamentos e explosões. Se o sistema apresentar danos chame a vistoria do Corpo de Bombeiros.

 

Sistemas de segurança

Cada condomínio possui um sistema de segurança diferente, é importante verificar se as câmeras estão funcionando e se o equipamento interno está regulado. Nunca se sabe quando irá precisar de uma filmagem, preste atenção neste detalhe.

 

Cercas elétricas

Alguns prédios ainda utilizam estas cercas elétricas, é necessário verificar se em cada metragem há uma placa indicando a cerca eletrificada, faça a manutenção predial também nesta área.

 

Hidrantes e extintores

Esses equipamentos necessitam de manutenção periódica, a cada ano é necessário verificar se estão carregados e dentro da validade. Veja se a mangueira do hidrante não está furada ou com danificações, seja consciente e examine os extintores.

 

Limpeza da piscina

O ideal é realizar esta manutenção sempre nos meses de inverno, pois os condôminos irão utilizar bem menos. Veja as bombas e sistemas de tubulação, analise o ph da água e demais necessidades, deixe a piscina para uso no verão.

 

Seguros e prazos

Analise corretamente os prazos exatos de vencimento do seguro, não deixe que o condomínio fique sem este serviço, as apólices deverão estar todas em dia. Esta é uma despesa que merece atenção.

 

Manutenção de elevadores

Outra manutenção predial realmente importante é dos elevadores, faça verificações periódicas neste equipamento, chame a empresa que realiza os reparos e veja também a casa de máquinas.

 

Infiltrações e reparos

Não é porque os condôminos não veem as partes internas do prédio que elas não necessitam de reparos, cada infiltração deve ser levada a sério. Faça a manutenção preventiva e caso descubra algum vazamento, realize o reparo imediatamente.

 

Jardins e áreas comuns

Manter o prédio com a aparência bem cuidada é sempre importante, as áreas em comum devem estar limpas e organizadas, faça a manutenção dos jardins e cuide para os vasos não conservarem águas paradas, além de agradar aos olhos, estará cuidando da saúde de todos.

 

Gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro de outras dicas de manutenções e serviços? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter!

DICAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE TELHADOS

 

Responsável por proteger e, também, por valorizar a estrutura de uma residência, dando um charme e toque de sofisticação, o telhado, muitas vezes, pode ser o motivo de muita dor de cabeça.

Encontradas de diferentes acabamentos e materiais, as telhas podem ser esmaltadas, coloridas, naturais. E ainda existem as famosas telhas de cimento.

As maiores variações entre tipos de telhados ocorrem em função do tipo do desenho. Existem muitos tipos no mercado e podemos citar telhas tipo Francesa, Colonial, Plan, Romana, Portuguesa, Americana, Germânica, entre muitas outras.

O que muda entre elas é o design da peça e a forma com que ela conduz a água e se encaixa com a telha ao lado. A escolha do tipo de telha é fundamental, pois determina a inclinação que o telhado deve ter para que não haja infiltrações. É aqui que mora o problema.

Para garantir que um telhado cumpra eficazmente a sua função, é importante que se assegure uma manutenção regular da cobertura.

Como qualquer coisa usada, ao longo do tempo, é natural que surjam algumas telhas que desenvolvam fissuras, fendas ou fraturas. Isto além das normais necessidades de circular sobre o telhado para se instalar equipamentos ou outras reparações, queda de granizo.

Para que você se poupe de uma possível dor de cabeça, separamos algumas dicas para você:

1. Faça manutenção preventiva

É importante fica atento à manutenção frequente do telhado, independente do clima, pois mesmo sem chuvas ou ventos fortes, a falta de manutenção pode prevenir diversos problemas, como goteiras e rachaduras. Além disso, é importante avaliar também os pontos de junção, como espigão, água furtada, chaminés e verificar o alinhamento correto das telhas.

2. Limpe as calhas

As calhas são úteis para a conservação e proteção do telhado, mas necessitam de cuidados. Limpe-as regularmente, para evitar entupimentos e consequentemente danos ao telhado.

3. Revise as telhas

Lembre-se de revisar o estado de suas telhas regularmente, analisando se há passagens de luz, pontos de umidade, entre outras irregularidades.

4. Invista em produtos de impermeabilização

Desta forma você evita diminuir a vida útil das telhas pelo motivo da absorção de água. Fique atento: Alguns produtos podem deixar o tom da telha mais amarelo.

 

Seguindo essas dicas, você estará preservando seu telhado, prolongando sua vida útil e evitando transtornos.

 

Gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro de outras dicas de manutenções e serviços? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Distel Telhas